sexta-feira, outubro 30, 2009


10 Mandamentos de um Protetor

Texto: Protetor x Colecionador


Conhecemos muita gente boa que acabou se perdendo no caminho. Pessoas que deixaram de existir, dando lugar a zumbis que não enxergam o tamanho do mal que fazem. Vejo ultimamente muita gente boa querendo ajudar, pessoas que se comovem com aquela pessoa que tem 120 animais em casa. Pessoas, um princípio básico da ‘ajuda’ consiste em ser ela efetiva. Alguém com 120 animais não é um protetor: é um colecionador de animais.

O que diferencia um protetor de um colecionador? É isso o que esse texto sutilmente mostra. Antes de se comover com histórias que rodam a Internet, cheque. Busque informações mais detalhadas, procure saber a real situação. Busque ajudar entidades ou pessoas sérias, que mostrem seu trabalho, que prestem contas. Lembrem-se que num local com tantos animais, raramente algum vive em estado pronto para a doação: ou estão doentes, ou famintos, ou deprimidos, ou irritadíssimos. E não, nem sempre um abrigo é melhor que a rua, muito pelo contrário. Quando preso num abrigo imundo, aquele animal não tem chance alguma.

Muita gente que já teve a cabeça no lugar hoje tornou-se colecionador. Um colecionador normalmente não aceita visitas que não estejam agendadas, tem sempre uma desculpa para que os animais e ele próprio estejam em petição de miséria (sujeira no local, muitos bichos amontoados, e mesmo o colecionador via de regra vive sem banho, sem médico, sem alimentação adequada - como os animais que tem), raramente sai de casa e vive no vermelho. Viver no vermelho não é privilégio somente do colecionador (rs) mas é praticamente impossível ganhar R$100,00 e gastar R$1.000,00 mensalmente. Alguma coisa está errada quando isso é sistemático.

É uma conta simples. O animal X tem valor sentimental, o Y é mascote, o Z ainda não está pronto, o A foi o primeiro animal, o V ficou 6 meses em tratamento e o colecionador se apegou a ele a ponto de não deixá-lo ir embora. Nunca adotante algum é bom o suficiente aos olhos do colecionador. O verdadeiro protetor de animais não prende as criaturas que resgata, porque o amor é saber deixar ir e ter uma vida digna. Um protetor conhece seus limites e tem vida própria.

Desconfie de quem só recolhe animais, sem preocupar-se com sua doação. Desconfie de qualquer pessoa ou entidade que jamais divulga suas ações e os animais que doa - afinal, eles não são doados mesmo! Desconfie de quem não tem tempo para divulgar, ou para investir na doação, mas tem tempo para recolher. Recolher não, amontoar e condenar. Desconfie de quem vive doente, vive dizendo que seus animais só tem comida até amanhã. De quem vive ‘tocando tudo sozinho’, de quem diz sempre ser traído, ou abandonado. De quem nunca tem tempo de prestar contas, de fazer algo de efetivo. Busque informações para não correr o risco de alimentar o vício do colecionador, por dó dos animais.

Há centenas de instituições e pessoas sérias. Há os colecionadores, os que fazem um desserviço, e isso não é fácil de atestar. Mas com boa vontade e olhos vivos, é possível enxergar e lutar para que existam cada vez menos nessas condições. A informação é a única arma contra os maus tratos. Aprisionar, condenar a uma vida de miséria, isso tudo significa maus tratos. Fique de olho.

Por: Tatiana Sales

Confraria dos Miados e Latidos

Os 10 Mandamentos de um Protetor

01) Não farás da tua casa um depósito de animais. Darás, sim, dignidade para aqueles maltratados e abandonados, mas procurarás acima de tudo um novo lar para eles.

02) Lembrarás de doar os animais que tenham chance de ter um lar; lembrai sempre da finalidade de todo o teu esforço, que é SALVAR O ANIMAL para que este tenha uma vida digna e melhor junto a donos responsáveis.

03) Não ficarás triste quando os animais forem embora para seu novo lar; lembra-te que como uma mãe ou um pai, salvastes uma vida para o mundo, que jamais se esquecerá de ti.

04) Disseminarás a todos que te cercam a Posse Responsável, mas também castrarás o maior número de animais que puderes, por ser a única solução efetiva para o problema do animal abandonado.

05) Não perderás a tua própria dignidade e individualidade; lembra-te que se não estiveres são, física e mentalmente, não poderás cuidar de ninguém.

06) Não ficarás revoltado contra a humanidade, afinal existem muitos voluntários de bom coração como vós, e a maioria das atrocidades são causadas pela ignorância. Cabe a ti ENSINAR!

07) Não esquecerás, de forma alguma, que também és um ser vivo como aqueles a quem tanto te dedicas; deverás reservar horas de lazer e convívio social só para ti, para que não continuem difamando o bom nome dos Protetores de Animais, confundindo-nos com desajustados sociais.

08) Reacenderás diariamente a tua chama de voluntário, aquela que te faz lutar contra todas as adversidades para atingir os objetivos, que causa tanta admiração entre os membros de nossa sociedade.

09) Aproveitarás o dia-a-dia para renovar os teus objetivos, para que os teus meios não se tornem os teus fins, afinal não quereis ser parte do problema, mas sim da solução.

10) Serás feliz, aproveitarás o dom Divino de ENTENDER E PROTEGER ESSAS PEQUENAS VIDAS INOCENTES!

Fonte: http://pastorescue.freehostia.com/joomla_1.5.7/index.php?option=com_content&view=article&id=66&Itemid=131

HOME: http://pastorescue.freehostia.com/joomla_1.5.7/
0

0 comentários:

Postar um comentário