quinta-feira, abril 14, 2011


Os animais também merecem uma feliz Páscoa


Coelhos comprados por impulso muitas vezes são abandonados.

Estamos no período da Páscoa e, como em todos os anos, é muito comum as crianças pedirem coelhinhos como presente nessa época. Infelizmente, cedendo ao capricho dos filhos, muitos pais acabam por comprar esses lindos animais como se estivessem comprando um bichinho de pelúcia: falta-lhes a consciência de que o animal precisa de cuidados especiais.

Para piorar a situação, há comerciantes que se aproveitam do momento e colocam coelhos filhotes e adultos à venda em vitrines, sem a preocupação com o bem-estar desses animais.

Alguns vendedores colorem o pelo com tinta para atrair o público, enquanto outros chegam a vender filhotes ainda bem imaturos, como coelhos anões. Muitos desses filhotes acabam morrendo após alguns dias por falta de cuidados especiais, manipulação inadequada e falta da mãe.

O mais triste é que, passada a empolgação, muitos animais ainda são abandonados em praças públicas ou em portas de veterinários. Em casos mais extremos, viram comida .

Os coelhos são seres vivos, não bichos de pelúcia. Eles vivem em média de 6 a 8 anos, requerem alimentação especial e equilibrada, necessitam de um ambiente apropriado, são extremamente sensíveis a mudanças de temperarura, possuem um esqueleto delicado e devem ser manipulados com cuidado, pois costumam fraturar os ossos mesmo em pequenas quedas ou pisões. É muito comum vermos as pessoas, principalmente crianças, os carregarem pelas orelhas, o que é totalmente contraindicado.

Uma compra desnecessária

Ao comprar um animal por impulso, os pais reduzem esse ser vivo e senciente a uma mercadoria, e deixam de ensinar aos seus filhos sobre responsabilidade e compaixão.

Em hipótese nenhuma devemos comprar um animal por impulso. Temos que levar em conta que eles necessitarão de cuidados especiais durante todo o seu tempo de vida, como:
alimentação apropriada à sua espécie
instalações adaptadas
visitas regulares ao veterinário
carinho, tempo, atenção e, sempre que possível, uma companhia da mesma espécie.

Se você ou sua família não tem condições de prover todas essas condições ao animal, é melhor pensar em comprar para seu filho um coelho de pelúcia e curtir a Páscoa sem causar sofrimento a esses seres tão especiais.

Cães e chocolates

No período da Páscoa, precisamos ficar atentos também aos nossos cães. Quando ganhamos vários ovos de chocolate, é muito comum nossos melhores amigos acompanharem cada abertura de pacote com aquele olhar de “quero só um pedacinho!”. Mas, infelizmente, o chocolate não é um alimento saudável para os cães: além de ser muito gorduroso e calórico, ele pode acabar intoxicando o animal.

O chocolate possui substâncias chamadas metilxantinas, que têm a capacidade de tornar o produto viciante, sendo as principais a cafeína e a teobromina, além de uma quantidade enorme de gordura e carboidratos. Mas a grande vilã para o organismo do cão é a teobromina. Sua quantidade varia de acordo com a quantidade de gordura do chocolate: quanto mais gordura ele possuir, menor vai ser a quantidade de teobromina. Quanto mais escuro for o chocolate, mais teobromina ele terá, e maior será a possibilidade de ocorrer a intoxicação.

Assim, o chocolate amargo, muito utilizado na culinária, é o que oferece maior risco, já que possui um teor mais elevado de teobromina (em torno de 1.35%). No chocolate branco, esse valor é bem menor (0,005%), não oferecendo tanto risco ao cão. De qualquer maneira, não devemos dar nenhum chocolate, pois dependendo do tamanho do animal, mesmo um pedaço pequeno pode causar problemas. Além disso, essa substância pode demorar até seis dias para ser eliminada do organismo do animal.

Sintomas

Um cão intoxicado pela ingestão de chocolate pode apresentar os seguintes sintomas:

aumento da frequência cardíaca

arritmias, aumento da micção (eliminação de urina)

aumento da pressão arterial, hiperatividade

inquietude

insônia

tremores

convulsões

e até mesmo o coma e a morte, dependendo da quantidade de chocolate que o cão ingeriu. É mais comum ocorrer intoxicação em animais de pequeno porte ou animais jovens, pois há maior quantidade de chocolate disponível em relação ao seu peso corporal.

Se o seu animal “roubou” um ovo de cima da mesa e o comeu inteirinho, fique atento aos sintomas e, diante de qualquer alteração, leve-o ao veterinário de sua confiança. Uma maneira de evitar esse problema é esconder do seu cão os ovos ou comprar ovos de chocolate feitos especialmente para cães: eles não contêm cacau nem as xantinas que fazem mal, e são vendidos nessa época em lojas especializadas.

Boa Páscoa!

MV. Rosangela Ribeiro

Gerente de Programas Veterinários da WSPA Brasil
Imagem: leondesign.arteblog.com.br
0

0 comentários:

Postar um comentário